sábado, outubro 09, 2004

O DIRECTOR E O SEU LABIRINTO

Ontem no final do telejornal da tvi, o director de informação do canal fez uma declaração onde, entre outras coisas, declarou acreditar na independência dos seus serviços informativos. Mostrou também assim que estava do lado dos seus jornalistas e que caso duvidasse da independência da informação que davam, se demitiria.
Ora aqui chegamos ao "labirinto", a saber:
1. Será que mesmo que o sr. José Eduardo Moniz soubesse que tinham existido pressões a decisão seria a sua própria demissão ?
2. Será que ao demitir-se não estaria a dar sinais de prova de censura ?
3. Será que com essas provas o nosso "querido" Presidente da República iria dissolver o parlamento ?
4. Será possível que que o acima referido ainda não esteja arrependido de não ter convocado eleições ?
O principal argumento que o P.R. utilizou para justificar o que a antiga Ministra das Finanças classificou como "Golpe de Estado", foi que queria estabilidade para o País e que com eleições antecipadas essa estabilidade deixava de existir e isso seria prejudicial para a nós.
Agora pergunto, onde está a estabilidade desde que este Governo que se governa, tomou posse ?
E pergunto só mais uma coisinha, porque é que temos de aturar tudo isto só porque o Presidente não gostava do Secretário Geral do P.S. ?

1 comentário:

Anónimo disse...

Eis a estabilidade, muito bom Sr. Xunca. Ass.: Très Rouge.